Raul Bopp

Raul Bopp – Lorgnette d´ouro

Sob a lorgnette d’ouro, em tédio humano,
O olhar reflete a pompa do seu vulto,
Quase à sombra das pálpebras oculto,
Indiferente a todo olhar profano.

Dentro do ebânico esplendor, o engano
Borda o sonho de seda em vago culto,
Morrerei nesse rútilo tumulto
Como em soturna solidão de oceano!

Pequeno inferno! Símbolo proibido!
— Quero sentir as sombras agoureiras
Dessa mortalha de cristal polido,

Desse palácio negro em róseo abismo,
Matando o amor do trono das olheiras,
Na majestade do indiferentismo!

 

Raul Bopp, Poesia Completa

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.