Cruz e Souza

Cruz e Sousa – As estrelas

Lá, nas celestes regiões distantes, No fundo melancólico da Esfera, Nos caminhos da eterna Primavera Do amor, eis as estrelas palpitantes. Quantos mistérios andarão errantes, Quantas almas em busca da Quimera, Lá, das estrelas nessa paz austera Soluçarão, nos altos céus radiantes. Finas flores de pérolas e prata, Das estrelas serenas se desata Toda a …

Continue Reading
Cruz e Souza

Cruz e Souza – Em sonhos…

Nos Santos óleos do luar, floria Teu corpo ideal, com o resplendor da Helade… E em toda a etérea, branda claridade Como que erravam fluidos de harmonia… As Águias imortais da Fantasia Deram-te as asas e a serenidade Para galgar, subir a Imensidade Onde o clarão d e tantos sóis radia. Do espaço pelos límpidos …

Continue Reading
Cruz e Souza

Cruz e Souza – Dormindo…

Pálida, bela, escultural, clorótica Sobre o divã suavíssimo deitada, Ela lembrava – a pálpebra cerrada – Uma ilusão esplendida de ótica. A peregrina carnação das formas, – o sensual e límpido contorno, Tinham esse quê de avérnico e de morno, Davam a Zola as mais corretas normas!… Ela dormia como a Vênus casta E a …

Continue Reading
Cruz e Souza

Cruz e Souza – A perfeição

A Perfeição é a celeste ciência Da cristalização de almos encantos, De abandonar os mórbidos quebrantos E viver de uma oculta florescência. Noss’alma fica da clarividência Dos astros e dos anjos e dos santos, Fica lavada na lustral dos prantos, É dos prantos divina e pura essência. Noss’alma fica como o ser que às lutas …

Continue Reading
Cruz e Souza

Cruz e Souza – Piedade

O coração de todo o ser humano Foi concebido para ter piedade, Para olhar e sentir com caridade Ficar mais doce o eterno desengano. Para da vida em cada rude oceano Arrojar, através da imensidade, Tábuas de salvação, de suavidade, De consolo e de afeto soberano. Sim! Que não ter um coração profundo É os …

Continue Reading
Cruz e Souza

Cruz e Sousa – Metamorfose

O sol em fogo pelo ocaso explode Nesse estertor, que os crânios assoberba. Vivo, o clarão, nuns frocos exacerba Dos ideais a original nevrose. Da natureza os anafis mouriscos Ante o cariz da atmosfera muda, Soam queixosos, numa nota aguda, Da luz que esvai-se aos derradeiros discos. O pensamento que flameja e luta Nos ares …

Continue Reading
Cruz e Souza

Cruz e Sousa – Amor

Nas largas mutações perpétuas do universo O amor é sempre o vinho enérgico, irritante… Um lago de luar nervoso e palpitante… Um sol dentro de tudo altivamente imerso. Não há para o amor ridículos preâmbulos, Nem mesmo as convenções as mais superiores; E vamos pela vida assim como os noctâmbulos À fresca exalação salúbrica das …

Continue Reading
Cruz e Souza

Cruz e Sousa – Filetes

De cravos, de rosas, De lírios, perfumes, De beijos, ciúmes, De coisas formosas; De cantos suaves De músicas, vinhos De aromas, arminhos Dos trinos das aves; Das cismas radiadas, De esperanças aladas Por vagos escombros, São feitos, são feitos Teus olhos perfeitos, Repletos de assombros. Cruz e Sousa, Obra Completa vol. I

Continue Reading