Caio Meira

Caio Meira – I

Minha vida, a partir desse ponto, se torna tão tênue quanto o fio da minha espada. Essa sentença, apesar de não ser prévia, não poderá ser postergada: ato derradeiro, do qual não há retrocesso. Nem avanço. Se minha casa passa a ser meu passo, se sou um ou se somos, se tiver de vender minha …

Continue Reading
Caio Meira

Caio Meira – Uma Canção

tantas vezes eu me sinto passageiro clandestino do meu corpo, como embarcado num vagão que corta a cidade desde o subúrbio, onde moram ou devem morar poetas, amantes e demais revolucionários, segundo Platão, embarcado nessa viagem, nessa origem periférica, longínqua, estrangeira, trazendo sem permissão sotaques, palavras e vontades que se realizam ocultamente nas minhas mãos, …

Continue Reading
Caio Meira

Caio Meira – Um beijo

há tanto tempo envolvido comigo mesmo, com o que me navega sob a pele, patinando pelas paredes que me encerram sem fim nem começo há tanto tempo comigo circulando por mim adentro, à beira desse passo que não se quer dar para fora do vórtice de que provenho há quanto tempo não me abro ou …

Continue Reading
Caio Meira

Caio Meira – Alento

Quando mais nada houver, eu me erguerei cantando, saudando a vida com meu corpo de cavalo jovem. E numa louca corrida entregarei meu ser ao ser do Tempo e a minha voz à doce voz do vento. Despojado do que já não há solto no vazio do que ainda não veio, minha boca cantará cantos …

Continue Reading
Caio Meira

Caio Meira – Um sorriso

14, 23, 72, quantos músculos nesse sorriso, mais, quantos dentes, a força, de onde vem a instrução que o dispara em sua face e o inscreve na extremidade que divide o dentro e o fora do seu corpo, do quê, ¿ onde sorri seu sorriso, sorri nos meus olhos, sorri no espaço que nos separa …

Continue Reading
Caio Meira

Caio Meira – Um abraço

quando nos encontramos e nos abraçamos por apenas alguns segundos, quando coloquei minha cabeça ao lado da sua e o seu tronco por poucos instantes se colou ao meu tronco, com minha mão pousada nas suas costas, sobre sua pele, sobre sua coluna vertebral, nisso que se define normalmente como um abraço de cumprimento, de …

Continue Reading
Caio Meira

Caio Meira – Um amor

o tempo de uma hora não é o tempo de uma hora, uma noite não é uma noite, uma madrugada feita de vários anos, feita também de milhares de reais, uma manhã que se aproxima com seus tempos, seus dinheiros, suas fotos, suas cirurgias, seus cortes de cabelos, com os filhos que se desprenderam de …

Continue Reading
Caio Meira

Caio Meira – Uma Manhã

um dia que não começa enquanto suas circunstâncias, as das suas mãos e da sua boca, não definem o peso com que a luz pousa nas suas curvas, que agora observo um dia que vem ganhando aos poucos os fenômenos que compõem sua pele, a gravura que sobe e constrói suas linhas e colunas um …

Continue Reading