Ezra Pound

Ezra Pound – Canto IV

Palácio em luz esfumaçada, Tróia, só destroços de muralhas fumegantes, ANAXIFORMINGES! Aurunculéia! Ouça-me, Cadmo das Proas de Ouro! Os espelhos de prata captam Pedras a brilhar e reluzem, Aurora, para o nosso despertar, Mergulhos na luz que é verde-fria; A névoa do rocio borrifa em relva Lívidos tornozelos se movendo. Bater, bater, zumbido, baque, no …

Continue Reading
Ezra Pound

Ezra Pound – Canto III

Sentei-me nas escadas de Dogana Pois as gôndolas, muito caras naquele ano, E lá não estavam “aquelas garotas”; havia uma face, E o Buccentoro, a vinte jardas, bradando “Stretti”, E as vigas no Morosini clareadas naquele ano, E pavões na morada de Koré, ou talvez tenham lá estado. Flutuam deuses no ar azul, Deuses radiantes …

Continue Reading
Ezra Pound

Ezra Pound – Canto II

Cesse tudo, Robert Browning, somente pode haver um único “Sordello”. Mas Sordello, e o meu Sordello? Lo Sordels si fo di Mantovana. So-shu sacudiu o mar. Saltos de foca nos flocos espumados da ressaca, Cabeça polida, filha de Lir, olhos de Picasso Sob o capuz de peles pretas, sinuosa filha do oceano; E a onda …

Continue Reading
Ezra Pound

Ezra Pound – Canto I

E pois com a nau no mar, Assestamos a quilha contra as vagas E frente ao mar divino içamos vela No mastro sobre aquela nave escura, Levamos as ovelhas a bordo e Nossos corpos também no pranto aflito, E ventos vindos pela popa nos Impeliam adiante, velas cheias, Por artifício de Circe, A deusa benecomata. …

Continue Reading