_ap_ufes{"success":true,"siteUrl":"www.tudoepoema.com.br","urls":{"Home":"https://www.tudoepoema.com.br","Category":"https://www.tudoepoema.com.br/category/adalcinda-camarao/","Archive":"https://www.tudoepoema.com.br/2022/05/","Post":"https://www.tudoepoema.com.br/paulo-leminski-bom-dia-poetas-velhos/","Page":"https://www.tudoepoema.com.br/coming-soon/","Attachment":"https://www.tudoepoema.com.br/jaqueline-ruiz-o-sol/jaqueline-ruiz-2/","Nav_menu_item":"https://www.tudoepoema.com.br/6162/","Custom_css":"https://www.tudoepoema.com.br/blacklite-gird/","Oembed_cache":"https://www.tudoepoema.com.br/9570d45b585c8951d60eac9a46f32e4f/","Wp_block":"https://www.tudoepoema.com.br/bloco-reutilizavel-sem-titulo-2/","Wpcf7_contact_form":"https://www.tudoepoema.com.br/?post_type=wpcf7_contact_form&p=69"}}_ap_ufee Arquivos Ralph Waldo Emerson - Tudo é Poema
Navegando pela Categoria

Ralph Waldo Emerson

Ralph Waldo Emerson

Ralph Waldo Emerson – A tempestade de neve

Propalada por todos os clarins do céu,
Chega a neve e, movendo-se ao alto dos prados,
Parece nada clarear: o ar em branco
Encobre bosques e colinas, céu e rio,
Dissimula a fazenda no fim do jardim.
O piloto e o trenó pararam, os pés dele
Lentos, amigos mudos, companheiros sentam-se
Em torno da luzente lareira, fechados
Num confuso refúgio fora da procela.
Venha ver a alvenaria do vento norte.
Provindo de pedreira sempre nunca vista
Guarnecido com telhas, o feroz artífice
Dobra seus brancos bastiães, tetos traçados
Em volta de barlaventos, ou porta ou árvore.
Lesto, mãos em miríades, seu fero obrar
Tão fantástico e selvagem, nada lhe importa
Seja número ou simetria. Zombeteiro,
Em cesto ou canzil pendura volutas párias;
Uma forma de cisne ataca o acúleo oculto:
Toma a vida do lavrador de lado a lado,
Apesar dos suspiros deste; e no portão
Uma cônica torre sobreleva a faina.
E quando suas horas são marcas e o mundo
É todo dele, só, qual se não existisse,
Deixa, quando aparece o sol, esta Arte atônita
Para a mímica em lentas estruturas, pedra
Sobre pedra, construída em certo período,
O trabalho noturno do vento demente,
A irreverente arquitetura dessa neve.

Ralph Waldo Emerson, Grandes poetas da língua inglesa do século 19

Ralph Waldo Emerson

Ralph Waldo Emerson – Hemeras (Os dias)

Estas filhas do Tempo, hipócritas Hemeras,
Como um derviz descalço, encapuçado e mudo, 
Marchando uma após a outra, em sucessões infindas, 
Trazem cheias as mãos de grinaldas e feixes:
Com miríficos dons, fausto ou doiradas messes,
Brindam a todos nós – segundo a nossa escolha. 
Em meu jardim fechado, as vi passar com pompa; 
Mas, esquecido então dos meus sonhos de outrora,
Contentei-me com ter alguns pomos…Hemera,
Sem murmurar palavra, a seguir, foi passando, 
E percebi – já tarde – o seu riso de mofa. 

O Livro de Ouro da Poesias dos Estado Unidos