Murilo Mendes

Murilo Mendes – 1500

A imaginação do Senhor Flutua sobre a baía. As pitangas e os cajus Descansam o dia inteiro. O céu, de manhã à tarde, Faz pinturas de baú. O Pão de Açúcar sonhou Que um carro saiu da Urca Transportando com amor Meninas muito dengosas, Umas, nuinhas da silva, Outras, vestidas de tanga, E mais outras, …

Continue Reading
Murilo Mendes

Murilo Mendes – Poema pessoal

Levanto-me da carruagem de paixões e plumas Aparentemente guiada pelas irmãs Brontë. Deu uma tristeza agora nos telhados… As cigarras sublinham a tarde emparedada, O trovão fechou o piano. Surge antecipadamente o arco-íris, Aliança temporária de Deus com o homem, Sem a solidez da eucaristia: Surge sobre encarcerados, órfãos, marginais, Sobre os tristes e os …

Continue Reading
Murilo Mendes

Murilo Mendes – O Espelho

O céu investe contra o outro céu. É terrível pensar que a morte está Não apenas no fim, mas no princípio Dos elementos vivos da criação. Um plano superpõe-se a outro plano. O mundo se balança entre dois olhos, Ondas de terror que vão e voltam, Luz amarga filtrando destes cílios. Mas quem me vê? …

Continue Reading