Mário de Andrade

Mário de Andrade – Tristura

Profundo. Imundo meu coração… Olha o edifício: Matadouros da Continental. Os vícios viciaram-me na bajulação sem sacrifícios… Minha alma corcunda como a avenida São João… E dizem que os polichinelos são alegres! Eu nunca em guizos nos meus interiores arlequinais!… Pauliceia, minha noiva… Há matrimônios assim… Ninguém os assistirá nos jamais! As permanências de ser …

Continue Reading