Mário de Andrade

Mário de Andrade – Tentação

Eu fechei os meus lábios para a vida 
E a ninguém beijo mais, meus beijos são 
Como astros frios que, de luz perdida,
Rolam de caos em caos na escuridão. 

Não que a alma tenha já desiludida 
Ou me faleçam os desejos, não! 
O que outrem prejulgara uma descida, 
É subir para mim, elevação! 

Vejo o Calvário por que anseio, vejo 
O Madeiro sublime, “Glórias” ouço, 
E subo! A terra geme… Eu paro. (É um beijo.) 

A moita bole… Eu tremo. (É um corpo.) Oh Cruz, 
Como estás longe ainda! E eu sou tão moço!
E em derredor de mim tudo seduz!…

 

Mário de Andrade, Poesias completas vol. 2

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.