Pablo Neruda

Pablo Neruda – A cidade

A SOMBRA deste monte protetor, propício,  como manta indiana aérea e rural me cobre: bebo azul do céu por meus olhos sem vício como um terneiro mama o leite em tetas nobres. Ao pé da colina a cidade deita e eu sinto, sem querer, sempre a rodar os tranways urbanos: a igreja se eleva para …

Continue Reading
Pablo Neruda

Pablo Neruda – Final

FORAM CRIADAS por mim estas palavras com o meu sangue e com as dores minhas foram criadas! Tudo eu compreendo, amigos, eu compreendo tudo. Misturaram-se vozes alheias às minhas, tudo eu compreendo, amigos! Como se voar eu quisesse e me chegassem para me ajudar as asas das aves, todas as asas, assim vieram as palavras …

Continue Reading
Pablo Neruda

Pablo Neruda – Saudade

SAUDADE… — Que será.. eu não sei… tenho buscado em certos dicionários poeirentos e antigos e outros livros que ocultam o significado dessa doce palavra de perfis ambíguos. Dizem que as montanhas são azuis como ela, que nela empalidecem longínquos amores, e um nobre e bom amigo meu (e das estrelas) nomeia com os cílios …

Continue Reading
Pablo Neruda

Pablo Neruda – O pai

Terra de semente inculta e bravia,  terra onde não há esteiros ou caminhos,  sob o sol minha vida se alonga e estremece.  Pai, nada podem teus olhos doces,  como nada puderam as estrelas  que me abrasam os olhos e as faces.  Escureceu-me a vista o mal de amor  e na doce fonte do meu sonho  …

Continue Reading
Pablo Neruda

Pablo Neruda – Melisanda

Seu corpo é uma hóstia fina, mínima e leve, Tem os azuis dos olhos e as mãos da neve. E o bosque das arvores parecem-se congelados, E os pássaros que estão neles estão cansados. Suas tranças ruivas tocam a água docemente Como dos braços de ouro brotados da fonte. Zumbe o vôo perdido das corujas …

Continue Reading
Pablo Neruda

Pablo Neruda – Antes de amar-te

Antes de amar-te, amor, nada era meu: vacilei pelas ruas e as coisas: nada contava nem tinha nome: o mundo era do ar que esperava. E conheci salões cinzentos, túneis habitados pela lua, hangares cruéis que se despediam, perguntas que insistiam na areia. Tudo estava vazio, morto e mudo, caído, abandonado e decaído, tudo era …

Continue Reading