Caio Meira

Caio Meira – Uma Manhã

um dia que não começa enquanto suas circunstâncias, as das suas
mãos e da sua boca, não definem o peso com que a luz pousa nas
suas curvas, que agora observo

um dia que vem ganhando aos poucos os fenômenos que compõem
sua pele, a gravura que sobe e constrói suas linhas e colunas

um dia que se desembaraça do seu sono entre os pequenos tremores e
barulhos que acendem seu tônus, suas ranhuras e penugens

um dia que virá como uma pancada nesse repouso que ainda paira
sobre a cama, que sobrevoo ainda aquecido pelo motor do seu
braço

um dia que se levanta nos orientes ainda guardados sob o lençol que
contém sua nudez emulada nas sombras que persistem pelo quarto

um dia que só principia quando você por fim me desperta

Caio Meira, Romance

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.