Isabela Escher

Isabela Escher – Mágoas brancas

Essas contas pequenas e alvas
que encontrei em meio à vida
envolvem a mim mesma
como uma roda dentada e inofensiva.

Essas contas mordem pungentes.
Parecem desvanecidas,
mas aguilhoam não só a minha alma
como também quem dela se aproxima.

Escondo-as de mim própria,
e sempre as reencontro,
eu as revivo na realidade e no sonho.

Hoje essas mágoas brancas
estão na pulseira da mão que escreve
entre mil outras contas encontradas e perdidas.

Isabela Escher, 15 Poemas – Vol. III

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

2 Comentários

  • Responder
    Aparecida Marques
    17/02/2018 at 21:49

    MUITO BOM! QUERO SABER SE ISSO É CONSIDERADO UMA PROSA POÉTICA…

  • Responder
    Aparecida Marques
    17/02/2018 at 21:51

    POR FAVOR ME RESPONDA, PRECISO TIRAR MINHAS DÚVIDAS!

  • Deixe uma resposta

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.