Ygor Moretti Fiorante

Ygor Moretti Fiorante – O Poema e nada mais

Os pés passavam,
estiveram e permaneciam
por todo sempre, em sua perssistência de
se afastar das coisas.

O corpo como se apenas restasse o seu torso
se mostrava besta,
cego de olhos de pernas, olhos das mãos,
nem os cabelos algo observava, abraço impossível.

Os olhos viam todas as impossibilidades,
e as possibilidades ainda não computadas,
demarcadas ao grupo de devaneios
encaixotados mais ao fundo.

Os olhos permaneciam
como se oniscientes.
Mas negavam qualquer duro reflexo
impregnados na retina.
Lembravam-me das duras filosofias,
o caminhar pragmático das ultimas alegrias,
era preciso burlar os sentidos,
acreditar na dor, a dor que se desenhava ultra-possível.

Havia ainda um cipreste,
que os olhos observadores-cansativos,
faziam suprir qualquer impossibilidade,
as glândulas e os mecanismos gritavam,
gritavam também os sistemas cálculos e composições.

Nem uma outra alucinação,
confusão ou o engano
eram transpostos sobre estas afirmações,
que os meus olhos acompanhavam,
mórbidos de uma repetida onisciência.

 

Ygor Moretti Fiorante, Um Objeto Quando Esquece

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.