Ygor Moretti Fiorante

Ygor Moretti Fiorante – Um objeto quando esquece

Os amigos não se sabiam Barrocos,
nem ao mundo declaravam guerra ou
ressurgiam num movimento neo.
Usavam no entanto, de formas explícitas
para dar a poesia o escárnio que
lhes pareciam propício.

Nem um possível hino a irresponsabilidade
posto na primeira página da agenda,
era por acidente reconhecido.
Preferiam a vida lá fora,
imprudente, apressada.

Copo de limonada,
luz acesa ao meio-dia, contrapondo-se a
todas as manobras de economia.
A seda que sustentava livros encharcados,
possibilitava ainda uma leitura.

Um objeto quando esquece
Mas o ruflar das páginas
carregavam capitulos embutidos.
E assim, eu era complacente com os objetos,
abdicava de lirismos e metáforas
para anunciar meu suicídio.

Procurava lugares não habitados na casa,
quadros não percebidos,
sem perceber que estava dentro de um.

Ygor Moretti Fiorante, Um objeto quando esquece

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.