_ap_ufes{"success":true,"siteUrl":"www.tudoepoema.com.br","urls":{"Home":"https://www.tudoepoema.com.br","Category":"https://www.tudoepoema.com.br/category/adalcinda-camarao/","Archive":"https://www.tudoepoema.com.br/2021/11/","Post":"https://www.tudoepoema.com.br/comunicado/","Page":"https://www.tudoepoema.com.br/coming-soon/","Attachment":"https://www.tudoepoema.com.br/comunicado/minimalist-grey-motivational-quotes-instagram-post/","Nav_menu_item":"https://www.tudoepoema.com.br/6162/","Custom_css":"https://www.tudoepoema.com.br/blacklite-gird/","Oembed_cache":"https://www.tudoepoema.com.br/9570d45b585c8951d60eac9a46f32e4f/","Wp_block":"https://www.tudoepoema.com.br/bloco-reutilizavel-sem-titulo-2/","Wpcf7_contact_form":"https://www.tudoepoema.com.br/?post_type=wpcf7_contact_form&p=69"}}_ap_ufee Paulo Henriques Britto - Persistência do sonho - Tudo é Poema
Paulo Henriques Britto

Paulo Henriques Britto – Persistência do sonho

Paulo Henriques Britto

Entre o momento e o ato
que preenche esse momento
há no entanto um intervalo
— hiato entre o estar e o tempo —
domínio branco e exato
do que jamais vem a ser.
Nesse espaço sem medida
— ou tempo incomensurável —
o que de ser chegou perto
sem chegar a ser de fato
se cristaliza na forma
desconsolada do nunca
porém — por obra do quase —
permanece aquém do nada.

E quando se fixa para sempre
o inevitável das coisas
— história única do real —
a inexistência precisa
e insistente do possível
privada de espaço e tempo
penetra nos poros dos seres
permeia o ato e o momento
— névoa densa e teimosa
que não há sol que dissolva.

Paulo Henriques Britto, Mínima Lírica

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.