Patativa do Assaré

Patativa de Assaré – Pai Luiz e o preguiçoso

Ninguém dirá ao contrário
Do que estou dizendo aqui,
Pai Luiz é imaginário
Como a Caipora e o Saci,
Pelo inverno ele parece,
Aparece e permanece
Bem sisudo e curioso
Com o fim de se arranchar
E ao mesmo tempo morar
Na roça do preguiçoso.
O preguiçoso vadio
Depois da roça plantada
Abandona o seu plantio
Sem nunca pegar na enxada,
Pai Luiz chega e se apossa,
Fica por dentro da roça
Sem cansaço e sem fadiga,
Pra ele é grande a vantagem,
O feijão não vinga vagem
E o milho não bota espiga.
Vai semana e vem semana
E o preguiçoso a brincar,
Jogando e bebendo cana
Andando de bar em bar,
Com pilhéria e com lambança
Já não tem mais nem lembrança
O preguiçoso gaiato
Do plantio no abandono
E Pai Luiz é o dono
Da plantação e do mato.
Com seu jeito sisudo,
Cumprindo a sua missão,
Fica por dentro de tudo,
Do mato e da plantação
E o vagabundo na rua
Com a malandragem sua
Vaidoso sempre vaidoso
E Pai Luiz aproveita
Para não haver colheita
E o milho não bota espiga.
Vai semana e vem semana
E o preguiçoso a brincar,
Jogando e bebendo cana
Andando de bar em bar,
Com pilhéria e com lambança
Já não tem mais nem lembrança
O preguiçoso gaiato
Do plantio no abandono
E Pai Luiz é o dono
Da plantação e do mato.
Com seu jeito sisudo,
Cumprindo a sua missão,
Fica por dentro de tudo,
Do mato e da plantação
E o vagabundo na rua
Com a malandragem sua
Vaidoso sempre vaidoso
E Pai Luiz aproveita
Para não haver colheita
Na roça do preguiçoso.

 

Patativa de Assaré, Melhores poemas

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.