Miguel Torga

Miguel Torga – Eleição

Sou eu e ela, aqui no bairro. Sós, 
Quando o luar me acorda e lhe prateia o lombo, 
Cantamos nós, 
Eu um poema agudo, e ela um rombo. 

Rã, como a gerou a natureza, 
Homem, porque eu assim o quis, 
Somos os dois poetas da tristeza 
Que há na gente infeliz. 

Não era terra que a poesia olhasse 
O lodo de que é feita e de que sou; 
Mas a semente nasce 
Onde o vento a deixou… 

 

Miguel Torga, Diários

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.