Mia Couto

Mia Couto – O degrau da lágrima

Nasci numa casa com escada. 

Aquela escada, 
dizem, 
nasceu antes da casa. 

O seu motivo 
era o de todas as escadas: 
medo de sermos terra, 
temor de lavas e monstros. 

Alteada sobre os céus 
a casa era mais que um ventre. 
Era um farol. 

Nesse farol sem mar, 
me lembro chorando 
sobre o primeiro degrau. 

Chorar é lá fora, advertia o pai. 
Lágrimas 
murcham aquém da porta: 
esse era o mando. 

A proibição da lágrima 
se somava ao interdito do chão: 
medo dos rios, 
das indomáveis enchentes. 

Ainda hoje 
uma voz antiga, 
dentro de mim, incita: 
aprende do pranto 
o parto das fontes. 

Sempre que chorares, 
nascerás uma outra vez. 

 

Mia Couto, Tradutor de chuvas

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.