Lucas Wisniewski

Lucas Wisniewski – (trans)vista(-se)

não quero dar na vista
visto-me de máscaras
pra me acabar na pista
sumo e não deixo rastro
rastejo pelo asfalto
na falta que você faz

persigo tuas pistas
sigo as listras que deixou
consumo-me com vinhos
enquanto ouço teus passinhos
ouso dizer próximos
um átomo de distância

por detrás dos arbustos
uma exposição de vários bustos teus
dizem-me que há amor
em todos os poemas meus
dizem-me que há amor
em todas as canções tuas
mas
nem o verso meu
nem a rima sua
nem nossos corações
batem mais na mesma batida
das alfaias do maracatu.

bom pra mim,
bom pra tu?

Lucas Wisniewski, 6universos

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.