_ap_ufes{"success":true,"siteUrl":"www.tudoepoema.com.br","urls":{"Home":"https://www.tudoepoema.com.br","Category":"https://www.tudoepoema.com.br/category/adalcinda-camarao/","Archive":"https://www.tudoepoema.com.br/2022/08/","Post":"https://www.tudoepoema.com.br/paul-valery-a-adormecida/","Page":"https://www.tudoepoema.com.br/coming-soon/","Attachment":"https://www.tudoepoema.com.br/tudo-e-poema-faz-5-anos/azul-negrito-aniversario-de-50-anos-convite-298-x-168-px/","Nav_menu_item":"https://www.tudoepoema.com.br/6162/","Custom_css":"https://www.tudoepoema.com.br/blacklite-gird/","Oembed_cache":"https://www.tudoepoema.com.br/9570d45b585c8951d60eac9a46f32e4f/","Wp_block":"https://www.tudoepoema.com.br/bloco-reutilizavel-sem-titulo-2/","Wpcf7_contact_form":"https://www.tudoepoema.com.br/?post_type=wpcf7_contact_form&p=69"}}_ap_ufee Jacques Prévert - Dever de casa - Tudo é Poema
Jacques Prévert

Jacques Prévert – Dever de casa

Jacques Prévert

Dois e dois quatro
quatro e quatro oito
oito e oito dezesseis
Repitam! diz o professor
Dois e dois quatro
quatro e quatro oito
oito e oito dezesseis
Mas eis o pássaro-lira
que passa pelo céu
o menino vê
o menino ouve
o menino chama
Venha me salvar
venha brincar comigo
seu pássaro!
Então o pássaro desce
e brinca com o menino
Dois e dois quatro…
Repitam! diz o professor
e o menino brinca
e o pássaro brinca com ele…
Quatro e quatro oito
oito e oito dezesseis
dezesseis e dezesseis fazem quanto?
Eles não fazem nada dezesseis e dezesseis
de todo modo
trinta e dois é que não fazem
e eles se vão.
E a criança escondeu o pássaro
em sua carteira
e todas as crianças
ouvem sua canção
e todas as crianças
ouvem essa música
e oito e oito por sua vez já se vão
e quatro e quatro e dois e dois
por sua vez se mandam dali
e um e um não fazem nem um nem dois
um a um se vão também.
E o pássaro-lira brinca
e o menino canta
e o professor grita:
Quer parar de bancar o engraçadinho!
Mas todas as crianças
ouvem a canção
e as paredes da sala
desabam tranquilamente.
E os vidros voltam a ser areia
a tinta volta a ser água
as carteiras voltam a ser árvores
o giz volta a ser falésia
as penas de escrever voltam a ser pássaro.

 

Jacques Prévert, Dia de folga

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.