Carlos Drummond de Andrade

Carlos Drummond de Andrade – Desligamento

carlos drummond de andrade

Ó minh’alma, dá o salto mortal e desaparece na bruma, sem pesar!
Sem pesar de ter existido e não ter saboreado o inexistível.
Quem sabe um dia o alcançarás, alma conclusa?

Ó minh’alma, irmã deserta, consola-te de me teres habitado,
se não fui eu que te habitei, hóspede maligno,
com irritação, com desamor, com desejo de ferir-te:
que farei sem ti, agora que te despedes
e não prometes lembrar este corpo destituído?

Ó minha, ó de ninguém, ó alma liberta,
a parceria terminou, estamos quites!

Carlos Drummond de Andrade, Farewell

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

1 Comentário

  • Responder
    joão
    14/07/2021 at 13:41

    há também um poema de drummond chamado “desligamento do poeta”, publicado dois dias após a morte de manuel bandeira. o mesmo desligamento, a mesma fratura, mas agora em relação ao outro, àquele que também era poeta, também pensou e disse a morte (profundamente). acho bonita a autorreferência do drummond falando de fora, do outro, que se aproxima do próprio drummond pelo único aspecto que ele faz questão de destacar no título, e que diferencia um poema do outro: DO POETA. de alguma forma carlos fala da própria morte mas, mais que isso, fala da morte do amigo, a única morte experienciável por aquele que ainda vive.

  • Deixe uma resposta

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.