Adélia Maria Woellner

Adélia Maria Woellner – Alienação

As nuvens se encolheram, 
abrindo caminho no céu, 
revelando a infinitude do vazio. 

O vento não soltou a voz; 
os animais se aninharam silenciosamente; 
as ondas se largaram, mansamente; 
o sol e a lua se encontraram no espaço; 
as hastes das plantas se dobraram 
e as flores encostaram as pétalas na relva, 
em gesto de reverência; 
os galhos das árvores se uniram, 
como se fossem mãos em prece. 

A natureza se prostrou, 
usufruindo a beleza da revelação. 

Só os homens, 
mergulhados no ruído do fazer, 
nada viram, 
nada ouviram… 
Nem entenderam 
por que tudo aconteceu…

 Adélia Maria Woellner, Infinito de Mim

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.