Vera Lúcia de Oliveira

Vera Lúcia de Oliveira – Meu corpo é sempre

meu corpo é sempre
do mesmo tamanho
minha alma é que carrega
o ofício de engordar
as sombras
de esticar os membros
postiços
que ao corpo vai juntando
sem que o volume da forma
avulte junto com a roupa
sem que a sombra no chão
note a desproporção

Vera Lúcia de Oliveira, Entre as junturas dos ossos

Você gostou deste poema?

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.