Matilde Rosa Araujo

Matilde Rosa Araújo – Loas à chuva e ao vento

Chuva, porque cais?
Vento, aonde vais?
Pingue… Pingue… Pingue…
Vu… Vu…Vu…

Chuva, porque cais?
Vento, aonde vais?
Pingue… Pingue… Pingue…
Vu… Vu…Vu…

Ó vento que vais,
Vai devagarinho.
Ó chuva que cais,
Mas cai de mansinho.
Pingue… Pingue…
Vu… Vu…

Muito de mansinho
Em meu coração
Já não tenho lenha
Nem tenho carvão…
Pingue… Pingue…
Vu… Vu…

Que canto tão frio,
Que canto tão terno,
O canto da água,
O canto do Inverno…
Pingue…

Que triste lamento,
Embora tão terno,
O canto do vento
O canto do Inverno…
Vu…

E os pássaros cantam
E as nuvens levantam.

 

Matilde Rosa Araújo, O livro da Tila

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.