Mario Quintana

Mario Quintana – Era um lugar

Era um lugar em que Deus ainda acreditava na gente…
Verdade
que se ia à missa quase só para namorar
mas tão inocentemente
que não passava de um jeito, um tanto diferente, de rezar
enquanto, do púlpito, o padre clamava possesso contra pecados enormes.
Meu Deus. até o Diabo envergonhava-se.
Afinal de contas, não se estava em nenhuma Babilônia…
Era, tão só, uma cidade pequena,
com seus pequenos vícios e suas pequenas virtudes: um verdadeiro descanso para a milícia
dos Anjos com suas espadas de fogo.
– um amor!
Agora, aquela antiga cidadezinha está dormindo para sempre
em sua redoma azul, em um dos museus do Céu.

Mario Quintana, Baú de Espantos

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.