Mário de Sá-Carneiro

Mário de Sá-Carneiro – Inter-sonho

Numa incerta melodia
Toda a minh’alma se esconde.
Reminiscências de Aonde
Perturbam-me em nostalgia…

Manhã de armas! Manhã de armas!
Romaria! Romaria!

……………………………………………………..

Tateio… dobro… resvalo…

……………………………………………………..

Princesas de fantasia
Desencantam-se das flores…

……………………………………………………..

Que pesadelo tão bom…

……………………………………………………..

Pressinto um grande intervalo,
Deliro todas as cores,
Vivo em roxo e morro em som…

 

Mário de Sá-Carneiro,  Antologia

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.