Marina Colasanti

Marina Colasanti – Cena amena

Da cartola sai o pombo
da cabeça, o pensamento
do tempo sai o momento
do descuido faz-se o tombo.

De uma coisa, coisa nasce
pinto, do ovo
velho, do novo,
líder, do povo.

O começo está escondido
no segredo da matriz,
e cada vez que acontece
é por um triz.

 

Marina Colasanti, O nome da manhã

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.