Ma Njanu

Ma Njanu – O balanço da rede quando interrompido

três décadas é a
duração do
cansaço

um dia, comendo
uma semente redonda
fruto da colheita,

veio roubar outro
tipo de oxigênio,
necessário ao urro
dos leões quando
querem amedrontar
as capivaras

neste instante, as
crianças não
almoçaram

e a resignação por
aguardar a manhã
seguinte teve algo
de alívio

embora na fome as
horas sejam
intermináveis.

Ma Njanu, Poema enviado por E-mail.

Você gostou deste poema?

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.