Luciana Biachinni

Luciana Biachinni – Doce olhar

Sinto em mim, uma vontade
louca de esperar você, sem
olhar no tempo ou distância.

Faço levezas
e pequenas gentilezas
de amá-lo pela janela.

Abro as cortinas,
e te remanejo em alto-mar.

Frestas, arejam meu rosto e faço
das humildes palavras, teu nome.

Por um fio, não beijo
tua boca ao vento oscilante.

Estes que acariciam
meus cabelos e as roupas frescas do verão.

Obrigada amor,
por me deixar pertencer
aos teus olhos, lá fora…

Luciana Biachinni, Versos sem Destinos

Você gostou deste poema?

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.