Lorena Martins

Lorena Martins – Eu vivo

eu vivo
como quem prende o cabelo a grampos
e deixa o dia escorrer assim
solvente
na esquina.
eu desfaço
enquanto ele é cama
a cantar sonoro.

(eu não acredito)

da nudez vaga que paira, só resta isso
fumar às auréolas
imaginar que ele tira a roupa
e se encaixa ali
no espaço despassado.

a vislumbrar o tempo
a acelerar o desprezo
a acalmar a impaciência

eu,
que nem ao gesto amanheço,
tomo tudo com o mesmo gosto
do mergulho perverso

inverso

que de pouco
de tão pouco
me excita.

Lorena Martins, Água para viagem

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.