Lino Machado

Lino Machado – Ofídios, volts e o resto

Se há
a dualidade quântica
onda-partícula
ou se ela é não exatamente
este bimodelo
ou elo estranho
mas algo mais ín
timo, mais úl
timo, até
uno –

ainda assim por ora
tudo é dúbio,
duplo –

do bio
ao que parece parede
sem vida
e contudo sabemos
que vibra.
Nossos brindes ao mundo
portanto –
por tanto não óbvio
seja em volta
seja nas entranhas esquisitas
da matéria: das coisas
nas áreas
mais aéreas (estrelas)
às dos vermes
das goiabas
sem lacuna para as líquidas
em que as baleias e mais
fazem a festa.

Cobras e voltagens
deveriam ser
trivirrealidades
de deixar mudas as bocas
mais ávidas.

Lino Machado, Coleção II Prêmio UFES de Literatura

Você gostou deste poema?

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.