João Cabral de Melo Neto – Autobiografia de um só dia

No Engenho Poço não nasci: 
minha mãe, na véspera de mim, 

veio de lá para a Jaqueira, 
que era onde, queiram ou não queiram, 

os netos tinham de nascer, 
no quarto-avós, frente à maré. 

Ou porque chegássemos tarde 
(não porque quisesse apressar-me, 

e se soubesse o que teria 
de tédio à frente, abortaria) 

ou porque o doutor deu-me quandos, 
minha mãe no quarto-dos-santos, 

misto de santuário e capela, 
lá dormiria, até que para ela, 

fizessem cedo no outro dia 
o quarto onde os netos nasciam. 

Porém em pleno Céu de gesso, 
naquela madrugada mesmo, 

nascemos eu e minha morte, 
contra o ritual daquela Corte 

que nada de um homem sabia: 
que ao nascer esperneia, grita. 

Parido no quarto-dos-santos, 
sem querer, nasci blasfemando, 

pois são blasfêmias sangue e grito 
em meio à freirice de lírios, 

mesmo se explodem (gritos, sangue), 
de chácara entre marés, mangues. 

João Cabral de Melo Neto, A Literatura como Turismo

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.