Florbela Espanca

Florbela Espanca – Pequenina

És pequenina e ris … A boca breve 
É um pequeno idílio cor-de-rosa … 
Haste de lírio frágil e mimosa! 
Cofre de beijos feito sonho e neve! 

Doce quimera que a nossa alma deve 
Ao Céu que assim te faz tão graciosa! 
Que nesta vida amarga e tormentosa 
Te fez nascer como um perfume leve! 

O ver o teu olhar faz bem à gente … 
E cheira e sabe, a nossa boca, a flores 
Quando o teu nome diz, suavemente … 

Pequenina que a Mãe de Deus sonhou, 
Que ela afaste de ti aquelas dores 
Que fizeram de mim isto que sou! 

 

Florbela Espanca, Livros de mágoas

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.