Flora Figueiredo

Flora Figueiredo – Sombras

Meio-dia no alfabeto.
A luz incide, direto.
Uma letra se projeta e fica colada no teto.
O alfabeto se inquieta.
Ao perceber-se incompleto,
propõe de pronto um acerto:
troca-se a letra por um inseto.

 

Flora Figueiredo, Limão rosa

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.