Fabrício Carpinejar

Fabrício Carpinejar – Acabou o amor

Estava tomando café com um amigo.
E o telefone dele tocou, tocou, tocou sem parar.
Eu perguntei: não vai atender?
Ele disse que não, não era nada de mais, que era a mulher dele.
Pode ser importante, insisti.
Ele explicou que não tinha vontade de ouvi-la.
Busquei entender: aconteceu alguma coisa? Brigaram?
Não, ele me respondeu, não haviam discutido, não aconteceu nada, somente não tinha interesse.
O número da esposa apareceu na tela mais duas vezes sem esperança, em histérico silêncio.
Daí entendi algo importante: quando a esposa deixa de ser prioridade, acabou o amor.
Quando a esposa é adiada não tem mais amor.
Quando não há mais curiosidade, desejo de escutar sua voz acima de tudo e de qualquer coisa, no meio do trabalho ou da alegria entre amigos, acabou o amor.
Quando não há questão de socorrer ou de acalmar, de conversar ou de saber o que aconteceu, acabou o amor.
Acabou o amor.

 

Fabrício Carpinejar, Para onde vai o amor?

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.