Emídio de Miranda

Emídio de Miranda – Esta que passa

Foi minha amante esta mulher que passa…
Sorveu-me em beijos todo meu ideal!
E comigo bebeu na mesma taça
O vinho do desejo sensual…

Muito tempo possuímos nós sem jaça,
A gema da ventura triunfal.
Mas um dia partiu…E ei-la devassa,
Bracejando no pélago do mal…

Quando ela passa, eu vejo na tristeza
Do seu olhar de erótica beleza
Todo brilho da orgia e da desgraça…

E não posso ficar indiferente,
Só porque afinal infelizmente,
Foi minha amante esta mulher que passa…

 

Emídio de Miranda, Amar, Verbo Atemporal

Você gostou deste poema?

1 Comentário

  • Responder
    Luciano Amaral
    13/07/2019 at 16:47

    Aqui, onde me vês, neste recanto
    Longe de todas as paixões sozinho
    As vezes rio e penso e choro e canto
    Mas na dor resplandeço e não definho…

    Alguém poderia me informar o autor do soneto que se inicia com este primeiro quarteto??
    Grato.
    Luciano Amaral
    luciano.amaral08@gmail.com

  • Deixe uma resposta

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.