Carlito Azevedo

Carlito Azevedo – Ela usava vestidos viventes

Ana dos mil dias, ou de quantos mil segundos mais
de respiração áspera e opressa?
A cabeça suporta, em despressurização
polinizada, quanto tempo mais afundada na
cisterna dessa ausência, quando é verão
e o vento tatua nos abraços mais
que nos braços
o nome da cidade?
Quantos mais sem que eu
saiba como e quando (e se) gastar
na chama do impulso a pétala
do sexo e a queda
em sobressalto
da omoplata ao último alvéolo
suspirante?

 

Carlito Azevedo, Sublunar

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.