Carina Carvalho

Carina Carvalho – Habitat

teve uma vez que minha miopia
feriu a coragem com um golpe seco
na lombar.

desde então, para mim qualquer teia
é imensa ameaça, como esta viagem
de dois dias e oito pernas longas
que se movem uma por vez.

tomando o meu corpo.
sumindo comigo para dizer
em particular: não é aqui. teu lugar não é.

te procuro com o coração miúdo
e os olhos desistentes, fechados.
pedindo para não apontar mais
os bichos que constroem suas casas
no canto da madeira,
na casa dos outros.

pedindo, por minha vez,
– estrala minhas costas.

Carina Carvalho, Coleção II Prêmio UFES de Literatura

Você gostou deste poema?

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.