Bruna Lombardi

Bruna Lombardi – Depois

A noite terminou. Tu e eu, nós estivemos juntos
a derrubar sombras, a encher a casa de vozes e
os copos de conhaque. A enrolar nos tapetes
recordações estranhas, cheias de veludo, de
casas demolidas, de pó, de liquens, de ferrugem.

Tu e eu em muitas páginas atrás tínhamos outro colorido,
outro peso, outra respiração. Havia apitos de trens
cortando túneis e passagens poeirentas de vacas.
Havia hotéis suburbanos e lençóis cheirando a úmido e
lilases.

Tu e eu estivemos juntos a evocar fantasmas
cavernas, grades, vazios, cicatrizes, papoulas, muros,
sinais, doçuras, estações,
enquanto o ar nos vigiava com a impaciência do tempo.
Juntos a repartir coisas fermentadas, despojos
dos náufragos na história de um porto.

Juntos ouvindo a pulsação das veias da parede
onde corre um sangue silencioso,
as paredes cobertas de papel e manchas e rachaduras e
marcas de mãos e marcas de goteiras.
Juntos trançando um fio interminável
espantando os espíritos da noite que vão enlouquecendo
as coisas
espantando os espíritos como se espantam moscas.

Bruna Lombardi, Poesia Reunida

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.