Bruna Beber

Bruna Beber – Rio de Janeth

chovem rios
mas aqui é o mar
quem leva a Princesinha
do Braguinha pra cheirar pó
com o Tom e a Garota de Ipanema
e o Viníciu Em Copacabana
Drummond nos esper
sentado marcando uma hora
para ver as bailarinas
mexendo as mãos no ar
condicionado do Municipal.

Bruna Beber, A fila sem fim dos demônios descontentes

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.