António Manuel Couto Viana

António Manuel Couto Viana – É tempo de natal

É tempo de Natal. Exibe-se um pinheiro, 
Com lâmpadas de cor, sobre o balcão. 
Tem, também, pendurados, a isca do dinheiro 
E flocos finos de algodão. 

Nas férias, foge a freguesia 
Do final das manhãs, 
Com os seus kispos disformes, de inflada fantasia, 
E o conforto das lãs. 

Bebem-se mais bebidas quentes. 
O chão, mais húmido, incomoda. 
E há apelos insistentes 
Do cauteleiro que anda à roda. 

Os embrulhos, nas mesas, nos regaços, 
Com vistosos papéis, 
Florescem de acetinados laços, 
Lembram o oiro, o incenso, a mirra, em mãos de reis. 

Muitos adultos. Pouca criançada. 
Muito cansaço. Pouca animação. 
A vida (a cruz!) tão cara, tão pesada! 
E dão-se as boas-festas sem se sentir que o são. 

Consigo mesa junto à vidraça. 
E é em mim que procuro, ou é lá fora, 
A estrela que não luz, o pastor que não passa, 
O anjo que não vem anunciar a hora? 

António Manuel Couto Viana, Café de Subúrbio 

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.