_ap_ufes{"success":true,"siteUrl":"www.tudoepoema.com.br","urls":{"Home":"https://www.tudoepoema.com.br","Category":"https://www.tudoepoema.com.br/category/adalcinda-camarao/","Archive":"https://www.tudoepoema.com.br/2021/11/","Post":"https://www.tudoepoema.com.br/comunicado/","Page":"https://www.tudoepoema.com.br/coming-soon/","Attachment":"https://www.tudoepoema.com.br/comunicado/minimalist-grey-motivational-quotes-instagram-post/","Nav_menu_item":"https://www.tudoepoema.com.br/6162/","Custom_css":"https://www.tudoepoema.com.br/blacklite-gird/","Oembed_cache":"https://www.tudoepoema.com.br/9570d45b585c8951d60eac9a46f32e4f/","Wp_block":"https://www.tudoepoema.com.br/bloco-reutilizavel-sem-titulo-2/","Wpcf7_contact_form":"https://www.tudoepoema.com.br/?post_type=wpcf7_contact_form&p=69"}}_ap_ufee André de Leones - (sem título) - Tudo é Poema
André de Leones

André de Leones – (sem título)

Não lembro quando foi a última vez em que respirei
corretamente, o ar entrando pelas narinas
e saindo pela boca, suave.
Ontem mesmo (é só um exemplo) tive de deixar
sobre a mesa a fruta partida e a faca suja,
o sumo melando o tampo, e respirar fundo
ou assim tentar, quebradamente:
é como tentar respirar noutro idioma ou
numa atmosfera alienígena que não compreende
quando digo (persigo) oxigênio.
Nesta rarefação interna e extremada, contínua,
mesmo o fogo (aquele de dentro) empalidece
e cala, se apaga,
dando lugar à verdadeira vida do espírito.
Não caibo em seu corpo, e nem é pela distância:
tentaria correr se meus pés ainda tocassem o chão.

André de Leones, Amar, Verbo Atemporal

Você gostou deste poema?

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.