Ana Martins Marques

Ana Martins Marques – Banheiro (banho de xampu)

Sem lembrança
de liquens
ou memória
do mar
de pé
sozinha
no banheiro
do apartamento
sem pretexto
para o pranto

rosnam os rótulos
da Johnson & Johnson —
lavo eu mesma
meus cabelos
curtos
que um dia
você lavou
numa bacia
enquanto
pelo basculante
baço
como ela mesma
a amassada
lua
brilha

Ana Martins Marques, Da arte das armadilhas

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.