Adrilles Jorge

Adrilles Jorge – Amor

Lembro-me de você
não como era,
de como o momento a pintava:

no esboço da memória inacabada
sempre presente
mesmo no instante ausente
no ideal que me faltava

Lembro-me do meu traço
que lhe acariciava
e criava
para que eu pudesse me esquecer
de um dia poder perder
sua imagem fabricada

Lembro-me sempre agora
de refazer seu desenho
em todos os amanhãs

para que o esquecimento
se esqueça de si
a todo momento
e não resista
à sua presença
eternamente recriada.

 

Adrilles Jorge, Antijogo

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

Sem comentários

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.