Adélia Prado

Adélia Prado – Janela

Janela, palavra linda.
Janela é o bater das asas da borboleta amarela.
Abre pra fora as duas folhas de madeira à toa pintada,
janela jeca, de azul.
Eu pulo você pra dentro e pra fora, monto a cavalo em
você,
meu pé esbarra no chão.
Janela sobre o mundo aberta, por onde vi
o casamento da Anita esperando neném, a mãe
do Pedro Cisterna urinando na chuva, por onde vi
meu bem chegar de bicicleta e dizer a meu pai:
minhas intenções com sua filha são as melhores possíveis.
Ô janela com tramela, brincadeira de ladrão,
claraboia na minha alma,
olho no meu coração.

 

Adélia Prado, Poesia reunida

Você gostou deste poema?

Você Pode Gostar Também

38 Comentários

  • Responder
    Inez Maria Peres de Freitas
    13/08/2020 at 06:45

    Pois nos faz recordar das janelas com tramelas, Cisternas, as brincadeiras de pegá ladrão brinquei demais. É é tão bom olhar pelo coração. Amei

    • Responder
      Denise
      13/08/2020 at 09:57

      Gostei muito do texto. Me remeteu à infância… Realidade e fantasia.

  • Responder
    Raquel Maria De Jesus
    13/08/2020 at 07:31

    Ah a janela! Sei bem como é. Foi dela que um dia caíe quebrei o meu pé.

    • Responder
      Fernanda Reis Silva Araujo
      13/08/2020 at 10:51

      Que delícia de poema!
      Fazia tempo que não ouvia falar em tramela. Quantas brincadeiras na chácara dos meus avós.
      Janelas…janelas…janelas da alma.

    • Responder
      Mara Lúcia Dias Nogueira
      13/08/2020 at 14:06

      Amei o poema! Da janela que observo as estrelas e a Lua que amo tanto.

  • Responder
    Poliana Pontes Alves Costa
    13/08/2020 at 07:52

    Muito bom

    • Responder
      Leidiane Matos Carvalho
      13/08/2020 at 11:02

      Ahhh janela!!! Amei.

  • Responder
    Simone Santos Silva
    13/08/2020 at 08:40

    Adorei o poema,as crianças também adoram poemas,poesias quando também vêem a ilustração dos poemas e poesias.

  • Responder
    Deusa Maria costa
    13/08/2020 at 08:50

    Lindo poema!

  • Responder
    GLaucia Cristina Quaresma Martins
    13/08/2020 at 08:50

    Lindo, acordar com poema é muito bom, obrigado ♥️

    • Responder
      Rafaela Mariane Sousa Nunes da Silva
      13/08/2020 at 16:36

      Muito bom esse poema de Adélia Prado. Remonta muitas lembranças felizes!

  • Responder
    Andreia de oliveira
    13/08/2020 at 08:52

    O poema traz inspiração por quem faz, e conhecimento para quem lê.

  • Responder
    Karina Beatriz da Silva
    13/08/2020 at 08:58

    Esse poema é lindo e gostei muito.

  • Responder
    Tatiane Rosa de Oliveira
    13/08/2020 at 09:03

    Belo poema para começar um belo dia! Ser criança é entrar em um mundo de magia e faz de conta.

  • Responder
    Fernanda Reis Silva Araujo
    13/08/2020 at 10:50

    Que delícia de poema!
    Fazia tempo que não ouvia falar em tramela. Quantas brincadeiras na chácara dos meus avós.
    Janelas…janelas…janelas da alma.

  • Responder
    MARIAJOSÉ DE ANDRADE MUDERNO
    13/08/2020 at 11:02

    Belo poema, me fez voltar ao tempo de criança, quando meus irmãos e eu pulavamos a janela com tramela para brincar no quintal, era mais divertido do que passar pela porta e muitas vezes, a mamãe ficava brava com a gente, doces lembranças!

  • Responder
    Lucia Helena Parreira Pires
    13/08/2020 at 11:03

    Adorei o texto. Recordou minha infância. Tinha janela de tramela. 😆😆

  • Responder
    Sandra Mara Prata Urzêdo
    13/08/2020 at 11:07

    Como é bom começar o dia com uma boa leitura.

  • Responder
    Sandra Mesquita Silvério da Silva
    13/08/2020 at 11:39

    Gostei muito! Lembrei da minha infância! Na casa da minha avó tinha janela com tramela e dali observava tudo o que acontecia na rua. Saudades!!!

  • Responder
    Luciana Fernanda Macedo de Freitas
    13/08/2020 at 12:52

    Um poema leve traduz as características da janela como uma singela borboleta.

  • Responder
    Fátima paniagus
    13/08/2020 at 13:28

    O poema nós remete a um mundo de magia e de faz de conta, ao mesmo que nós traz a realidade do nascer de cada dia!

  • Responder
    claudiana gonçalves de paula
    13/08/2020 at 14:12

    O poema me fez lembrar minha infância, onde de uma janela com tramela, tinha grandes sonhos, alguns realizei outros continuo sonhado!!!

  • Responder
    Maria Virgínia da Cruz Rosa e Ferreira
    13/08/2020 at 14:48

    Este poema tem cheiro da minha infância, pude vivenciar,tudo que nele relata, o coração, chega foi de saudades.

  • Responder
    Valeria Capucci da Silveira
    13/08/2020 at 15:49

    Adoro Adélia sempre usando lírico, ela busca janela uma resposta olhando para o céu sobre o memento que ela está passando.

  • Responder
    claudiana gonçalves de paula
    13/08/2020 at 16:25

    O poema me fez lembrar minha infância, onde por uma janela com tramela, tinha grandes sonhos, alguns realizei outros continuo sonhando!!!

  • Responder
    Nathália Bragine
    13/08/2020 at 16:39

    Me trouxe sentimentos bons e boas lembranças.

  • Responder
    Maria Helena do Nascimento Cardoso
    13/08/2020 at 17:10

    Adorei! Voltei ao passado com minhas lembranças…

  • Responder
    Harielly Ferreira Lima Araújo
    13/08/2020 at 18:52

    Muito lindo e profundo o poema! Abrir a mente, agradecer.

  • Responder
    Pedrina Gonçalves da Silveira
    13/08/2020 at 19:09

    Adorei! Me fez recordar da casa em que morei na roça, com o mesmo tipo de janela com tramela. Recordar nossa infância sempre nos traz algo de muito bom.

  • Responder
    Eliane A. Ricardo
    13/08/2020 at 20:02

    Janelas abertas, uma alusão à almas livres

  • Responder
    Rose Auxiliadora gordo.
    13/08/2020 at 22:15

    O poema é doce lembranças de tempos que o momento presente já não nos permite mais…
    Brincadeiras e relatos ocorridos na infância, saudades, bagagem que constrói a imagem que me trás…

  • Responder
    Gislaine Aparecida de Souza
    14/08/2020 at 11:16

    Ao ler um texto que nos remete a infância, a boas lembranças ou ainda, mesmo que nao a tivemos, mas nos acalme, nos tranquileze e nos proporciona uma paz imtrior, ja tem valido sua existência como algo que vale a pena existir, vale a pena “experimentar/deliciar”. Valeu a pena a intenção “dessa semente!”

  • Responder
    KARLA BIANCA CREMA MIRANDA
    14/08/2020 at 14:38

    LINDO POEMA!

  • Responder
    Elizabeth Gofert
    14/08/2020 at 16:11

    Nem sempre a janela está aberta… há momentos que nossa alma não quer ver a vida! Isso também é natural! Fechar a janela e olhar pra dentro de si.

  • Responder
    Raviane Aparecida Borges Fernandes Souto
    14/08/2020 at 16:57

    Adorei o poema!!

  • Responder
    Eliana lemos
    14/08/2020 at 23:08

    O poema me fez lembra , da casa que eu morei quando criança tinha uma janela com tramela..ficava na janela olhando a fazenda do outro lado.

  • Responder
    Ana Maria dos Santos Oliveira
    17/08/2020 at 10:04

    Lindo poema! Me fez recordar um pouco da minha infância.

  • Responder
    GiselmadaSilva Santos
    17/08/2020 at 17:33

    Este poema nos leva a várias recordações do tempo de infância, das brincadeiras, das travessuras, em que hoje poucas crianças brincam.👏👏👏

  • Deixe uma resposta

    Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.