Caio Meira

Caio Meira – I

Minha vida, a partir desse ponto, se torna tão tênue quanto o fio da minha espada. Essa sentença, apesar de não ser prévia, não poderá ser postergada: ato derradeiro, do qual não há retrocesso. Nem avanço. Se minha casa passa a ser meu passo, se sou um ou se somos, se tiver de vender minha …

Continue Reading
Adélia Prado

Adélia Prado – Ruim

Me apanho composta: as vísceras, o espírito, meu ânima em dispneia. Nem uma seta consigo pintar na estrada. Ô tristeza, eu digo olhando meu livro. Ô bobagem. Ô merda, polivalentemente, eu digo. De que me adiantou pegar na mão do poeta e mandar pra frente da batalha feminista a mulher do meu amado, se o …

Continue Reading
Bruna Beber

Bruna Beber – Dotes

coleciono mas não leio cartas antigas, anúncios de almanaque em latas de goiabada nolasco sei que estou em permanente mudança porque todos os dias abro e fecho gavetas e caixas no entanto aprendi pouco sobre apostas e temporais, só sei que levam muito mais do que trazem.   Bruna Beber, Balés

Continue Reading
Pablo Neruda

Pablo Neruda – Final

FORAM CRIADAS por mim estas palavras com o meu sangue e com as dores minhas foram criadas! Tudo eu compreendo, amigos, eu compreendo tudo. Misturaram-se vozes alheias às minhas, tudo eu compreendo, amigos! Como se voar eu quisesse e me chegassem para me ajudar as asas das aves, todas as asas, assim vieram as palavras …

Continue Reading